Como a perspectiva visual influencia a dinâmica espaço-temporal da recuperação da memória autobiográfica

Adotar um ponto de vista de um observador em terceira pessoa ao relembrar seu passado ativa partes de seu cérebro diferentes daquelas em que relembra uma memória vista por seus próprios olhos, de acordo com um novo artigo na revista Cortex.

"Nossa perspectiva quando nos lembramos das mudanças nas regiões cerebrais que suportam a memória e como essas regiões cerebrais interagem entre si", explicou Peggy St Jacques, professora assistente do Departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências e co-autora do artigo.

Especificamente, os resultados mostram que relembrar memórias de uma perspectiva semelhante à de um observador - em vez de através de seus próprios olhos - leva a uma maior interação entre o hipocampo anterior e a rede posterior medial.

"Essas descobertas contribuem para um crescente corpo de pesquisa que mostra que recuperar memórias é um processo ativo que pode enviesar e até distorcer nossas memórias", acrescentou St Jacques.

"Adotar uma perspectiva semelhante à do observador envolve ver o passado de uma maneira nova, o que requer maior interação entre as regiões do cérebro que apoiam nossa capacidade de relembrar os detalhes de uma memória e recriar imagens mentais em nossa mente." Adotar uma perspectiva semelhante à do observador também pode servir a um propósito terapêutico, explicou St Jacques. "Esta pode ser uma forma eficaz de lidar com memórias perturbadoras, vendo o passado à distância e reduzindo a intensidade das emoções que sentimos."

Este trabalho baseia-se na pesquisa anterior de St Jacques sobre a perspectiva visual na memória, que descobriu que a perspectiva a partir da qual evocamos uma memória pode influenciar como os lembramos ao longo do tempo.

O principal autor deste artigo é Heather Iriye, ex-aluno da Faculdade de Ciências, que conduziu esta pesquisa como parte de seu doutorado. na Universidade de Sussex, no Reino Unido. Iriye agora é pós-doutorado no Instituto Karolinska, na Suécia.

Relembrar as memórias de uma perspectiva de terceira pessoa muda a forma como nosso cérebro as processa

 

TRADUÇÃO DO RESUMO: A perspectiva visual, relembrando eventos com os próprios olhos ou um dos vários pontos de vista possíveis do observador, é um aspecto fundamental da memória autobiográfica (MA). No entanto, não está claro exatamente como a perspectiva visual influencia os mecanismos funcionais de apoio à recuperação. Aqui, usamos uma análise multivariada para caracterizar a dinâmica espaço-temporal de redes que suportam a recuperação da MA a partir de múltiplas perspectivas visuais típicas e atípicas.

Tanto os próprios olhos quanto as perspectivas do observador engajaram uma rede de recuperação da MA (ou seja, hipocampo, linha média anterior e posterior e córtex frontal lateral e posterior) que atingiu o pico durante os períodos de recuperação posteriores, mas foi recrutada com menos força para as perspectivas do observador.

As análises de conectividade funcional com uma semente anterior do hipocampo revelaram que a perspectiva visual também afetou a força e o tempo de recrutamento neural. Houve uma conectividade mais forte do hipocampo com uma rede medial posterior durante a recuperação inicial de MAs a partir de perspectivas atípicas do observador e uma conectividade mais forte dentro do MTL e do córtex pré-frontal ventromedial durante os períodos posteriores de recuperação das próprias perspectivas dos olhos, sugerindo que a perspectiva visual é um fator importante para entender como os sistemas neocorticais orientam a recuperação da memória.

Nossos resultados demonstram que a adoção dos próprios olhos e perspectivas do observador durante a recuperação MA está correlacionada com padrões distintos de interações hipocampo-neocorticais associadas ao recrutamento diferencial da rede de recuperação MA durante os períodos posteriores de recuperação, apoiando assim o papel central da perspectiva visual na reconstrução do passado pessoal.

 

Mais informações: Heather Iriye et al. How visual perspective influences the spatiotemporal dynamics of autobiographical memory retrieval, Cortex (2020). DOI: 10.1016/j.cortex.2020.05.007