Você se considera normal? Isso pode ser uma evidência de sua patologia.

 

"O que chamamos de normal em Psicologia é na verdade uma psicopatologia da média, tão pouco dramática e tão amplamente difundida que nem mesmo notamos normalmente." Esta citação é de Abraham Maslow, o teórico que nos deu a ideia da hierarquia das necessidades (uma vez que suas necessidades básicas são satisfeitas, você começa a buscar necessidades mais elevadas) e a ideia de autorrealização.

O argumento de Maslow é que ser normal, ser mediano, embora normalmente percebido como bom, é patológico. A patologia pode ser definida como doença ou enfermidade. A definição de psicopatologia do dicionário é "O estudo da origem, desenvolvimento e manifestações de transtornos mentais ou comportamentais" ou "a manifestação de um transtorno mental ou comportamental". A maioria das pessoas ficaria ofendida se alguém dissesse que eles são medianos. No entanto, por definição, a maioria é. A média em termos psicológicos é uma categoria enorme, que abrange a maioria da população. Aqueles que não estão na média são os extremos (em inglês, outliers). Os outliers são a pequena porcentagem em cada extremidade da curva normal (curva gaussiana). Eles estão bem abaixo da média ou bem acima.

Portanto, agora que todos nos sentimos insultados, vamos discutir o que Maslow estava dizendo e por que isso é tão importante. A afirmação de Maslow era que o objetivo final dos humanos é a autoatualização, tornar-se tudo o que puderem em um processo de autoaperfeiçoamento vitalício. Ele também afirmou que todos os humanos têm esse potencial. Mas antes que isso possa acontecer, outras necessidades que estão posicionadas abaixo da autoatualização devem ser satisfeitas. Isso inclui necessidades fisiológicas, necessidades de segurança, necessidades de amor e pertença e a necessidade de estima. Uma vez que essas necessidades sejam atendidas, o indivíduo pode olhar para a autoatualização. Não se esforçar para ser tudo o que você pode ser é sua patologia. Ele está usando essa declaração ousada para chamar sua atenção e encorajá-lo a agir.

Pode-se presumir que a maioria das pessoas (especialmente se você estiver lendo este artigo online) tem necessidades mais baixas atendidas. A maioria tem comida, água e abrigo suficientes. A maioria não sente ameaças constantes à sua segurança. E, felizmente, nos sentimos amados e com um sentimento de pertencimento. Assim, atendendo a essas necessidades, podemos nos mover no sentido de nos sentirmos estimados. Essa necessidade envolve autoconfiança, sentindo-se competente e acreditando que pelo menos alguns outros o têm em alta estima. Novamente, parece razoável que muitos leitores tenham essas necessidades atendidas também. Isso não quer dizer que você se sinta assim o tempo todo. Sempre pode haver surtos de dúvidas sobre si mesmo. Mas sabe-se que geralmente, na maioria das vezes, você se sente confiante em si mesmo e em suas habilidades. Então, com todas essas necessidades importantes atendidas, por que mais pessoas não estão se tornando autoatualizadas?

A resposta é simples: tornamo-nos complacentes com essas necessidades inferiores, mas importantes. Então, em vez de trabalhar em direção à autorrealização, as pessoas se tornam consumidores: acompanhando os vizinhos, sendo o primeiro em nosso bloco a ter o mais novo gadget, carro do ano, entregando-se excessivamente às "necessidades de entretenimento" (filmes, televisão, viagens) e, de outra forma, tentando preencha o anseio por um propósito maior com compras, em vez de autoaperfeiçoamento.

Talvez o que esteja impedindo a maioria das pessoas de se realizarem é o fato de estarem interpretando erroneamente seu anseio por autorrealização como uma necessidade de algo mais: mais amor, mais coisas, mais diversão. Portanto, a solução é parar de preencher o vazio com as coisas e, em vez disso, focar em você e no que você pode ser. O que você está fazendo de criativo? O que você está fazendo para exercitar sua mente? O que você está fazendo para tornar o planeta (e seus semelhantes) melhor? O que você está fazendo para ser mais feliz com você, ao invés de seus bens? Responda a essas perguntas e o movimento em direção à autorrealização começa.

Se ainda tiver problemas para começar ou manter o progresso, é possível que haja forças inconscientes dentro de você que o estão mantendo estagnado. Uma sugestão é entrar na terapia para descobrir esses bloqueios, removê-los e voltar aos trilhos. Tornar o inconsciente mais consciente é um dos aspectos mais benéficos da terapia. Hoje, muitas vezes, vemos a terapia simplesmente como um lugar para desabafar ou obter alguma orientação para outros problemas da vida. Mas, na melhor das hipóteses, a terapia é voltada para o insight, para a compreensão de si mesmo e para a autoatualização.

 

O fator p: um fator psicopatológico geral na estrutura dos transtornos psiquiátricos

De forma geral, a psicopatologia pode ser representada por três fatores de ordem superior (Internalizante, Externalizante e Transtorno do Pensamento). No entanto, podemos pensar numa dimensão da psicopatologia geral que explica a psicopatologia de forma global, o fator p. Pontuações p mais altas podem estar associadas a mais comprometimento da vida, maior familiaridade, piores histórias de desenvolvimento e função cerebral mais comprometida no início da vida.

Esta é uma abordagem interessante para compreender a psicopatologia. No entanto, até que os pesquisadores descubram o que muitos terapeutas já sabem (ou seja, que a maioria das doenças mentais se deve a alguma forma de trauma relacional), eles ainda estarão vagando pela grama alta e perdendo o óbvio.

O fator psicopatológico geral pode descrever a estrutura dos transtornos psiquiátricos.

 

Fontes: https://www.psychologytoday.com/us/blog/the-second-noble-truth/201111/the-psychopathology-normal 

http://integral-options.blogspot.com/2013/10/the-p-factor-one-general.html 

Para saber mais: https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev-clinpsy-032813-153732 

Para participar de uma pesquisa sobre Personalidade e Psicopatologiahttps://pt.surveymonkey.com/r/pesq_persona