Alucinações auditivas na esquizofrenia ligadas à conectividade cerebral aberrante

Alucinação auditiva, um fenômeno no qual as pessoas ouvem vozes ou outros sons na ausência de estímulos externos, são uma característica da esquizofrenia e de alguns outros distúrbios neuropsiquiátricos. A forma como ela surge no cérebro ainda não é clara, mas novas pesquisas indicam que a conectividade cerebral alterada entre áreas de processamento sensorial e cognitivo pode ser responsável.
"Nossos resultados demonstram o desenvolvimento aberrante dos núcleos talâmicos envolvidos no processamento sensorial e um padrão imaturo de conectividade tálamo-cortical com as regiões auditivas do cérebro", disse o autor principal.

Usando ressonância magnética (RM), os pesquisadores compararam estruturas cerebrais e sua conectividade em 110 sujeitos de controle saudável e em 120 indivíduos com uma doença genética, chamada síndrome de exclusão do 22q11.2, ou DS (deletion syndrome). Pessoas com DS 22t11.2 estão em risco muito maior do que o público em geral para desenvolver esquizofrenia e experimentar alucinações sensoriais. Estima-se que um por cento das pessoas com esquizofrenia tem esse transtorno.
Anormalidades no tálamo, uma região cerebral reconhecida como a "porta de entrada" para informações sensoriais que chegam ao cérebro, já haviam sido implicadas em esquizofrenia e alucinações. No presente estudo, os autores procuraram analisar mais especificamente como o tálamo e suas conexões com outras áreas cerebrais diferiam em pessoas com DS 22t11.2 - com e sem alucinações auditivas - do grupo controle. Para este estudo longitudinal, os pesquisadores coletaram exames cerebrais a cada três anos de indivíduos de 8 a 35 anos, com cada um recebendo entre 1 e 4 exames.

Embora nem o volume total do tálamo nem sua trajetória de crescimento desenvolvimento diferem entre indivíduos DS 22t11.2 e sujeitos controle, os pesquisadores encontraram diferenças em subnúcleos talâmicos específicos. Os núcleos geniculados mediais e laterais (MGN, LGN), que estão envolvidos na retransmissão de informações sensoriais auditivas e visuais, são menores em pessoas com DS 22t11.2. Em contraste, núcleos talâmicos que se comunicam com o córtex frontal, que está envolvido em funções cognitivas mais elevadas, são maiores em indivíduos com DS 22t11.2 do que em controles saudáveis. Além disso, outros núcleos talâmicos desenvolveram-se de forma diferente nos dois grupos. Ao comparar os sujeitos com DS 22q11.2 com e sem alucinações auditivas, aqueles com alucinações apresentaram um volume menor de MGN e uma trajetória de desenvolvimento diferente.

Ao avaliar a conectividade funcional dentro do cérebro, os autores também descobriram que os sujeitos com alucinações auditivas apresentavam maior conectividade entre a MGN com o córtex auditivo e outras áreas de processamento da linguagem. Eles postulam que tal hiperconectividade pode estar por trás da ativação de tais áreas auditivas em repouso, levando a alucinações. "Esses achados fornecem uma explicação mecanicista para a extrema probabilidade de fenômenos alucinatórios em jovens propensos à psicose devido à DS 22t11.2", acrescentou o autor. "Além disso, a investigação das interações de desenvolvimento entre o tálamo e o córtex pode ajudar a identificar novos alvos de intervenção visando prevenir o surgimento de sintomas psicóticos em indivíduos de risco devido a condições genéticas ou estado clínico de ultra-alto risco."

Para saber mais: 
https://www.elsevier.com/about/press-releases/research-and-journals/auditory-hallucinations-rooted-in-aberrant-brain-connectivity